Pular para o conteúdo

Liturgia Diária


2ª-FEIRA DA 22ª SEMANA - TEMPO COMUM

Quanto eu amo, ó Senhor, a vossa lei!
Quanto eu amo, ó Senhor, a vossa lei! / Permaneço o dia inteiro a meditá-la.
R.
Vossa lei me faz mais sábio que os rivais, / porque ela me acompanha eternamente.
R.
Fiquei mais sábio do que todos os meus mestres, / porque medito sem cessar vossa Aliança.
R.
Sou mais prudente que os próprios anciãos, / porque cumpro, ó Senhor, vossos preceitos.
R.
De todo mau caminho afasto os passos, / para que eu siga fielmente as vossas ordens.
R.
De vossos julgamentos não me afasto, / porque vós mesmo me ensinastes vossas leis.
R.
Anunciei entre vós o mistério
de Cristo crucificado.
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios 2, 1-5
Irmãos, quando fui à vossa cidade anunciar-vos o mistério de Deus, não recorri a uma linguagem elevada ou ao prestígio da sabedoria humana.
Pois, entre vós, não julguei saber coisa alguma, a não ser Jesus Cristo, e este, crucificado.
Aliás, eu estive junto de vós, com fraqueza e receio, e muito tremor.
Também a minha palavra e a minha pregação não tinham nada dos discursos persuasivos da sabedoria, mas eram uma demonstração do poder do Espírito,
para que a vossa fé se baseasse no poder de Deus e não na sabedoria dos homens.
Palavra do Senhor.
Ele me consagrou com a unção
para anunciar a Boa Nova aos pobres.

Nenhum profeta é bem recebido em sua pátria.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 4, 16-30
Naquele tempo:
Veio Jesus à cidade de Nazaré, onde se tinha criado. Conforme seu costume, entrou na sinagoga no sábado, e levantou-se para fazer a leitura.
Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, Jesus achou a passagem em que está escrito:
'O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos
e para proclamar um ano da graça do Senhor. '
Depois fechou o livro, entregou-o ao ajudante, e sentou-se. Todos os que estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele.
Então começou a dizer-lhes: 'Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir. '
Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca. E diziam: 'Não é este o filho de José?'
Jesus, porém, disse: 'Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum. '
E acrescentou: 'Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria.
De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel.
No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia.
E no tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio. '
Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos.
Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até ao alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício.
Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.
Palavra da Salvação.

MARTÍRIO DE SÃO JOÃO BATISTA - SANTORAL

Comunica-lhes tudo que eu te mandar dizer:
não tenhas medo em sua presença.
Leitura do Livro do Profeta Jeremias 1, 17-19
Naqueles dias a Palavra do Senhor foi-me dirigida:
'Vamos, põe a roupa e o cinto, levanta-te e comunica-lhes tudo que eu te mandar dizer: não tenhas medo, senão, eu te farei tremer na presença deles.
Com efeito, eu te transformarei hoje numa cidade fortificada, numa coluna de ferro, num muro de bronze contra todo o mundo, frente aos reis de Judá e seus príncipes, aos sacerdotes e ao povo da terra;
eles farão guerra contra ti, mas não prevalecerão, porque eu estou contigo para defender-te', diz o Senhor.
Palavra do Senhor.
Minha boca anunciará vossa justiça.
Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor: / que eu não seja envergonhado para sempre!Porque sois justo, defendei-me e libertai-me! / Escutai a minha voz, vinde salvar-me!
R.
Sede uma rocha protetora para mim, / um abrigo bem seguro que me salve! / Porque sois a minha força e meu amparo, / o meu refúgio, proteção e segurança! Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio.
R.
Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, / em vós confio desde a minha juventude!Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, / 6bdesde o seio maternal, o meu amparo.
R.
Minha boca anunciará todos os dias / 15bvossa justiça e vossas graças incontáveis. Vós me ensinastes desde a minha juventude, / e até hoje canto as vossas maravilhas.
R.
Quero que me dês agora, num prato,
a cabeça de João Batista.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 6, 17-29
Naquele tempo,
Herodes tinha mandado prender João, e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado.
João dizia a Herodes: 'Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão'.
Por isso Herodíades o odiava e queria matá-lo, mas não podia.
Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava.
Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galiléia.
A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: 'Pede-me o que quiseres e eu to darei'.
E lhe jurou dizendo: 'Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino'.
Ela saiu e perguntou à mãe: 'O que vou pedir?' A mãe respondeu: 'A cabeça de João Batista'.
E, voltando depressa para junto do rei, pediu: 'Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista'.
O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados.
Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, degolou-o na prisão,
trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe.
Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram.
Palavra da Salvação.