Liturgia Diária


5ª-FEIRA DA 2ª SEMANA - TEMPO COMUM

Saul, meu pai, procura matar-te.
Leitura do Primeiro Livro de Samuel 18, 6-9; 19, 1-7
Naqueles dias:
Quando Davi voltou, depois de ter matado o filisteu, as mulheres de todas as cidades de Israel saíram ao encontro do rei Saul, dançando e cantando alegremente ao som de tamborins e címbalos.
E, enquanto dançavam, diziam em coro: 'Saul matou mil, mas Davi matou dez mil'.
Saul ficou muito encolerizado com isto e não gostou nada da canção, dizendo: 'A Davi deram dez mil, e a mim somente mil. Que lhe falta ainda, senão a realeza?'
E, a partir daquele dia, não olhou mais para Davi com bons olhos.
Saul falou a Jônatas, seu filho, e a todos os seus servos sobre sua intenção de matar Davi. Mas Jônatas, filho de Saul, amava profundamente Davi,
e preveniu-o a respeito disso, dizendo: 'Saul, meu pai, procura matar-te; portanto, toma cuidado amanhã de manhã, e fica oculto em um esconderijo.
Eu mesmo sairei em companhia de meu pai, no campo, onde estiveres, e lhe falarei de ti, para ver o que ele diz, e depois te avisarei de tudo o que eu souber'.
Então Jônatas falou bem de Davi a Saul, seu pai, e acrescentou: 'Não faças mal algum ao teu servo Davi, porque ele nunca te ofendeu. Ao contrário, o que ele tem feito foi muito proveitoso para ti.
Arriscou a sua vida, matando o filisteu, e o Senhor deu uma grande vitória a todo o Israel. Tu mesmo foste testemunha e te alegraste. Por que, então, pecarias, derramando sangue inocente e mandando matar Davi sem motivo?'
Saul, ouvindo isto, e aplacado com as razões de Jônatas, jurou: 'Pela vida do Senhor, ele não será morto!'
Então Jônatas chamou Davi e contou-lhe tudo isto. Levou-o em seguida a Saul, para que ele retomasse o seu lugar, como antes.
Palavra do Senhor.
É no Senhor que eu confio e nada temo.
Tende pena e compaixão de mim, ó Deus, / pois há tantos que me calcam sob os pés, / e agressores me oprimem todo dia!Meus inimigos de contínuo me espezinham, / são numerosos os que lutam contra mim!
R.
Do meu exílio registrastes cada passo, / em vosso odre recolhestes cada lágrima, / e anotastes tudo isso em vosso livro. Meus inimigos haverão de recuar em qualquer dia em que eu vos invocar;
R.
tenho certeza: o Senhor está comigo!Confio em Deus e louvarei sua promessa.
R.
É no Senhor que eu confio e nada temo: / que poderia contra mim um ser mortal?Devo cumprir, ó Deus, os votos que vos fiz, / e vos oferto um sacrifício de louvor,
R.
Os espíritos maus gritavam: 'Tu és o Filho de Deus!'
Mas ele ordenava severamente para não dizerem quem ele era.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 3, 7-12
Naquele tempo:
Jesus se retirou para a beira do mar, junto com seus discípulos. Muita gente da Galiléia o seguia.
E também muita gente da Judéia, de Jerusalém, da Iduméia, do outro lado do Jordão, dos territórios de Tiro e Sidônia, foi até Jesus, porque tinham ouvido falar de tudo o que ele fazia.
Então Jesus pediu aos discípulos que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão, para que não o comprimisse.
Com efeito, Jesus tinha curado muitas pessoas, e todos os que sofriam de algum mal jogavam-se sobre ele para tocá-lo.
Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés, gritando: 'Tu és o Filho de Deus!'
Mas Jesus ordenava severamente para não dizerem quem ele era.
Palavra da Salvação.

SÃO SEBASTIÃO, MÁRTIR - SANTORAL

Eu, presbítero como eles,
testemunha dos sofrimentos de Cristo.
Leitura da Primeira Carta de São Pedro 5, 1-4
Caríssimos:
Exorto aos presbíteros que estão entre vós, eu, presbítero como eles, testemunha dos sofrimentos de Cristo e participante da glória que será revelada:
Sede pastores do rebanho de Deus, confiado a vós; cuidai dele, não por coação, mas de coração generoso; não por torpe ganância, mas livremente;
não como dominadores daqueles que vos foram confiados, mas antes, como modelos do rebanho.
Assim, quando aparecer o pastor supremo, recebereis a coroa permanente da glória.
Palavra do Senhor.
Eis que venho fazer com prazer a vossa vontade, Senhor!
Esperando, esperei no Senhor, / e inclinando-se, ouviu meu clamor. Canto novo ele pôs em meus lábios, um poema em louvor ao Senho
R.
Sacrifício e oblação não quisestes, / mas abristes, Senhor, meus ouvidos; / não pedistes ofertas nem vítimas, / holocaustos por nossos pecados, e então eu vos disse: 'Eis que venho!'
R.
Sobre mim está escrito no livro: 'Com prazer faço a vossa vontade, / guardo em meu coração vossa lei!'
R.
Boas-novas de vossa justiça / anunciei numa grande assembléia; / vós sabeis: não fechei os meus lábios!
R.
Apascenta os meus cordeiros.
Apascenta as minhas ovelhas.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 21, 15-17
Jesus manifestou-se aos seus discípulos e,
depois de comerem, perguntou a Simão Pedro: 'Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?' Pedro respondeu: 'Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo'. Jesus disse: 'Apascenta os meus cordeiros'.
E disse de novo a Pedro: 'Simão, filho de João, tu me amas?' Pedro disse: 'Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo'. Jesus disse-lhe: 'Apascenta as minhas ovelhas'.
Pela terceira vez, perguntou a Pedro: 'Simão, filho de João, tu me amas?' Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: 'Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo'. Jesus disse-lhe: 'Apascenta as minhas ovelhas'.
Palavra da Salvação.