AMOR E PERDÃO- Dia de São João Paulo II

No dia 22 de outubro a Igreja celebra o querido e legítimo “João de Deus”, como foi carinhosamente homenageado pelo povo brasileiro, que cantava em coro, durante as visitas deste Sumo Pontífice ao solo brasileiro: “A bênção, João de Deus. Nosso povo te abraça. Tu vens em missão de paz. Sê bem-vindo! E abençoa este povo que te ama! A bênção, João de Deus […]”

Há muitíssimo a dizer a respeito São João Paulo II e seu pontificado de mais de vinte e cinco anos, durante o qual enfrentou imensos desafios e realizou tanto pela Igreja e pelo mundo… A sinopse do livro “São João Paulo II – o homem que mudou o mundo”, do Professor Felipe Aquino (Editora Cléofas) sintetiza: “São João Paulo II foi um marco na história da Igreja; um homem que mudou o mundo; não só pelo longo pontificado, mas pela sua santidade, cultura, amor ao ser humano, estadista, mestre da doutrina, arauto da paz, paladino da justiça entre os povos. Homem das dores, foi baleado, protegido pela Virgem de Fátima, viveu a perseguição do nazismo e do comunismo, temperou sua fibra e sua fé no calor da perseguição à Igreja. Era muito capacitado em teologia e em filosofia. Deus o trouxe de um país comunista para, com a força de Nossa Senhora, derrubar o Muro da Vergonha, o comunismo ateu e o totalitarismo soviético. Ele nos fez compreender, com o seu ‘Totus tuus’, o poder da entrega de uma vida a Deus pelas mãos da Virgem Maria. Foi o ‘Doce Cristo na terra’. Merece ser chamado por todos de ‘São João Paulo II Magno’. Agora no céu, intercede por nós sem cessar.

No vídeo “Vida e obra de São João Paulo II”, disponível no You Tube < https://www.youtube.com/watch?v=ToSQwt_lN7A>, o professor Felipe Aquino fala entusiasticamente da vida desse grande santo de nossa Igreja, se comove e emociona com os relatos da trajetória desse Santo Papa.

O Padre Paulo Ricardo de Azevedo, que foi ordenado pelo Papa João Paulo II e viveu no Vaticano na época, testemunha que ele tinha o hábito de manter uma das mãos no bolso da batina, no qual repassava as contas do Santo Rosário no entremeio às múltiplas atividades que a árdua missão de Sumo Pontífice exigia. Compenetrou-se tanto do Santo Rosário que, entre inúmeras contribuições ao aperfeiçoamento da fé católica – como a formulação do atual Catecismo da Igreja Católica – agregou os Mistérios Luminosos. Ciente de que o Santo Rosário se constitui em uma devoção cristocêntrica (em que Cristo é o centro, pois é a ele que a Virgem Maria conduz), incluiu os episódios principais da vida de Jesus transcorridos entre o a visita ao templo (quinto mistério gozoso) e a agonia no Horto das Oliveiras (primeiro mistério doloroso). Com isso temos a oportunidade de meditar, no decorrer da récita dos mistérios luminosos, os episódios do batismo de Jesus; da transformação da água em vinho nas bodas de Canaã; do anúncio do Reino de Deus chamando à conversão; da transfiguração e da instituição da Sagrada Eucaristia, na Santa Ceia.

Com sua acurada sensibilidade apostólica e profundo compromisso com a eficácia evangelizadora, teve um papel determinante no apoio aos movimentos eclesiais e às novas comunidades – por ele mesmo definidos como frutos de “um novo pentecostes” – tendo se empenhado para viabilizar a atuação dessas “novidades da Igreja” em harmonia com os operadores eclesiais já estabelecidos. É o que se pode depreender das afirmações na “Mensagem do Papa João Paulo II aos participantes no seminário de estudos sobre os movimentos eclesiais e as novas comunidades”, em 18 de junho de 1999, da qual colacionamos os excertos que seguem:

“No nosso tempo os desafios da nova evangelização apresentam-se não raro em termos dramáticos e impelem a Igreja, e em particular os seus Pastores, à busca de novas formas de anúncio e de ação missionária […].”

“Entre as tarefas pastorais hoje mais urgentes quereria indicar, em primeiro lugar, a atenção às comunidades em que é mais profunda a consciência da graça conexa com os sacramentos da iniciação cristã, da qual brota a vocação a ser testemunha do Evangelho em todos os âmbitos da vida. A dramaticidade do nosso tempo incentiva os crentes a uma essencialidade de experiência e de proposta cristã, nos encontros e nas amizades de cada dia, para um caminho de fé iluminado pela alegria da comunicação. Uma ulterior urgência pastoral que não se pode subestimar é constituída pela formação de comunidades cristãs, que sejam autênticos lugares de acolhimento para todos, na constante atenção às necessidades específicas de cada pessoa. Sem essas comunidades resulta sempre mais difícil crescer na fé e cai-se na tentação de reduzir à experiência fragmentária e ocasional precisamente aquela fé que, ao contrário, deveria vivificar a inteira experiência humana.”

“De fato, por causa da secularização que em muitas almas enfraqueceu ou até mesmo extinguiu a fé e abriu o caminho a crenças irracionais, em muitas regiões do mundo Ela [a Igreja] tem que enfrentar um ambiente semelhante ao das suas origens.”

“Como acolher este dom particular que o Espírito oferece à Igreja no nosso momento histórico? Como o acolher em todo o seu alcance, em toda a sua plenitude, em todo o dinamismo que lhe é próprio? Responder de modo adequado a esses interrogativos faz parte da vossa responsabilidade de Pastores. A vossa grande responsabilidade é não tornar vão o dom do Espírito mas, ao contrário, fazê-lo frutificar sempre mais no serviço ao inteiro Povo cristão.”

“Estou perto de vós com a minha solidariedade fraterna, acompanho-vos com a oração, enquanto de bom grado vos abençoo a vós e a quantos a Providência divina confiou aos vossos cuidados pastorais.”

A Comunidade Católica Transfiguração tem a consciência da solidariedade fraterna, da ação intercessora e das bênçãos de São João Paulo II sobre sua trajetória ao longo dos 19 anos em que se mantém dedicada a cumprir com os desideratos mencionados na mensagem acima.

Não é por acaso que o evento de maior relevância e frequência, realizado semanalmente pela comunidade, se denomina “Avivamento São João Paulo II”. Que ele continue intercedendo por nós e inspirando os movimentos eclesiais e novas comunidades a realizar a missão que o Espírito lhes designou!

São João Paulo II, rogai por nós!